SER CUIDADORA: UMA DÁDIVA OU UM CASTIGO?

CUIDDORA – castigo e acusação

CUIDADORA você recebeu uma dádiva ou castigo?  Ser cuidadora na maioria das vezes, não é uma escolha, é uma imposição. É um cair de paraquedas num terreno desconhecido.

Nossa vida é como um caminhar numa estrada. Encontramos retas, curvas, partes planas, subidas e descidas. Encontramos buracos, barreiras e encruzilhadas.  A paisagem pode se alternar de bonita, um verdadeiro refrigério aos nossos olhos e alma, para uma aridez e tristeza, que corta o nosso coração.

 

Para chegarmos ao nosso destino precisamos passar por essa estrada, até podemos pegar um atalho ou desviarmos o nosso curso na próxima encruzilhada. Somos livres para fazermos escolhas.

 

Conversando Com Deus

Conversando com Deus

Com esse pensamento de ser livre para escolher, ao ouvir uma citação bíblica fiquei indignada com Deus. É uma passagem de Provérbios: “Muitos são os planos do homem, mas o propósito do Senhor prevalecerá”. (Pv. 19:21). Perguntei onde está o livre arbítrio? Somos marionetes em Suas mãos?

 

Isso ocorreu há pouco mais de um ano, quando tudo que tentava fazer só encontrava obstáculos e só recebia nãos. Não aceitava o fato de estar sozinha para cuidar da minha mãe com Alzheimer. Eu tinha sonhado outra vida para mim e de repente me sentia aprisionada, vendo o meu castelo desabando na minha cabeça.

 

Lembrei de uma pregação em que o preletor disse que que é comum as pessoas culparem o diabo por tudo de ruim que acontece em suas vidas, mas muitas vezes é Deus tentando mostrar que você está no caminho errado.

 

Logo a seguir veio em minha mente o versículo: “Sabemos que todas as cousas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito”.  (Rm 8:28).

 

Nesse momento explodi de raiva, minha ira se intensificou e novamente questionei a Deus no que toda essa situação que estava vivendo estava contribuindo para o meu bem. Estava cansada, infeliz, me tornando cada dia mais e mais amarga e totalmente descrente deste Deus que diziam ser pai. Comecei a chorar como uma criança órfã e desamparada.

 

De repente, ouço no meu interior, como que uma voz calma, dizendo: você já parou para pensar o quanto tem aprendido com tudo isso? Aprendido o que, perguntei?

 

– O quanto é difícil ver um familiar que amamos ir se despedindo de nós a cada dia, sem que possamos fazer algo?

 

– O quanto é difícil enfrentarmos uma doença que lentamente vai tirando a memória, as lembranças do nosso ente querido e percebermos que ele não é mais aquela pessoa que conhecemos e convivemos um dia?

 

– O quanto é difícil lidarmos com nossa impotência?

 

Nesse momento parei de chorar e me abri para continuar ouvindo. E então ouvi:  Você é capaz de entender que seu propósito de vida pode ser ajudar pessoas que estão vivenciando exatamente o mesmo que você nesse exato momento?

 

Você já parou para pensar que com seu conhecimento e sua experiência pode ajudar muitas pessoas a aliviarem suas dores, tensões e preocupações?

 

Descobrindo Meu Propósito

Em busca de um propósito

Descrente do que estava me acontecendo e ao mesmo tempo admirada, mas ainda bem arrogante fiz um trato com Deus. Está bem, se esse é realmente o seu propósito para a minha vida, vou fazer uma fanpage e ver o que acontece.

 

Nasceu a fanpage Alzheimer: Cuidar e se cuidar em menos de três horas, compartilhei com meus amigos e em poucas horas comecei a ter um retorno que me impressionou e isso fez com que eu fosse buscar mais conhecimento sobre a Doença de Alzheimer, as implicações de ser um cuidador familiar, como lidar com essas dificuldades e principalmente a importância do autocuidado, coisa que havia deixado de lado há muito tempo.

 

A cada dia que passava fui me interessando mais e mais pelo assunto, e ao mesmo tempo que passava tudo que aprendia, ia tentando por em prática em minha própria vida e para minha surpresa que eu passei a encarar a Doença de Alzheimer de forma diferente, passei a ter mais paciência com minha mãe e ela também passou a se mostrar mais cooperante e mais calma.

 

Deixei de focar na minha dor e passei a buscar soluções. Neste último ano voltei a fazer coisas que não fazia a tempo, não na mesma frequência e intensidade, mas já sinto que estou voltando a voar.  Tirei minha máquina fotográfica do armário e voltei a fotografar, minhas plantinhas de casa estão voltando a florir. Tenho saído para almoçar e tomar café com minhas amigas.

 

Agora, o que mais está me estimulando são as palestras e eventos onde contribuo com a minha história e minhas experiências.

 

Conclusão

Nunca imaginei ser cuidadora. Posso dizer que cai de paraquedas.

 

O que quero deixar aqui é que muitas vezes começamos a fazer coisas que nunca imaginamos fazer. Algumas vezes porque não soubemos fazer escolhas e nos agarramos a primeira coisa que apareceu, como se fosse a tábua de salvação e não nos largamos dela com medo de afundar. Outras vezes porque fomos chamados. Quando isso ocorre, mesmo encontrando obstáculos na estrada, conseguimos superar.

 

Se eu estou conseguindo, você também consegue. Abra o seu coração e seus ouvidos e fique atenta para ver e ouvir o que o universo esta te mostrando e chamando.

 

A maré sobe e desce, vem e vai, assim é a lei do universo, repleta de ciclos. A nossa vida não poderia ser diferente, o mais importante é sabermos apreciar a beleza de cada fase e  aproveitarmos para aprender e evoluir.

 

Podes crer, ser cuidadora é uma dádiva quando se olha como um propósito de vida que Deus escolheu para nós.

 

Se este artigo fez algum sentido para você compartilhe com outra pessoas e se inscreva para continuar recebendo as novidades.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *